Vinho branco, Jerez ou… estragado?

sexta-feira, 11/janeiro, 2008

Foi exatamente essa pergunta que eu me fiz quando tomei o Côtes du Jura Cuvée Tradition do produtor francês Baud Père & Fils, safra 1996 (R$ 92 no Club do Taste-Vin).

Tomei conhecimento desse vinho há algum tempo, após ler um comentário no falecido blog do Ed Motta sobre vinhos. Na verdade o cantor havia tomado um vinho diferente do mesmo produtor, o Château Chalon, safra 1992. Mas a “alma” do Cuvée Tradition e do Château Chalon é a mesma.

Explico: Chalon é uma região de 50 hectares que fica na região do Jura (pronuncia-se jurrá), no leste da França, perto da fronteira com a Suíça. Lá são produzidos os chamados vin jaune, que são famosos pela longevidade. Esse tipo de vinho é feito de um jeito parecido com o Jerez, o vinho fortificado espanhol que é bebido como aperitivo. Ou seja, um vin jaune é oxidado de propósito. Funciona assim: o vinho é feito normalmente, com a uva francesa savagnin (parente da gewurztraminer). Depois, as tampas dos tanques de fermentação são abertas para o vinho ter contato com o ar. Deixar um vinho aberto por muito tempo, em contato com o oxigênio, é um processo que, normalmente, estraga a bebida. Mas, nesse caso, é algo desejável.

Bom, o vinho fica lá um tempão, em contato com o ar. As leveduras e bactérias entram em ação e o vinho produza uma, digamos, película branca que os franceses chamam de “flor”.  Depois o vinho vai repousar em barris de carvalho. Chega a ficar lá por até seis anos, o que é um bocado de tempo para qualquer tipo de vinho. E aí ele é engarrafado.

Eu adoro uma novidade. Não acho que o mundo do vinho deve ser chato e quadrado, muito pelo contrário. Embuído desse espírito, abri o vinho. Não esperava que ele fosse tão fantástico como disse o Ed Motta, mesmo porque eu sabia que o Cuvée Tradition seria um vinho inferior ao Chalon (um é intermediário para a Baud, enquanto o outro é o top de linha da vinícola). Mas confesso que me decepcionei.

Logo de cara, no exame visual, a primeira surpresa. O vinho tem uma coloração amarela muito, muito forte. Das duas uma: ou seria um Jerez ou estaria estragado.

Fomos ao nariz. Muito mel, flor, castanhas, manteiga. Pelos aromas, o vinho prometia muita untuosidade na boca. Lembrava o cheiro de um vinho de sobremesa, mas não tão doce. Meu cérebro já começava a dar um nó…

Provei. Numa frase, na boca o vinho não tinha absolutamente nada a ver com o que ele indicava na aparência e nos aromas. Um vinho seco, sem corpo e… sem gosto. Jerez não era. Estragado? Branco leve que nem água? Quero dizer, ele estava mais para vinho amarelo do que branco… Cadê a untuosidade? Persistência zero. O vinho praticamente sumia na boca. Parecia evaporar.

No fim das contas, não consegui terminar a garrafa. Foi uma experiência válida, mas com resultado muito ruim. 100% de estudo e 0% de prazer. Esse vinho me lembrou um pouco o Insólito, da Cave Ouvidor, sobre o qual eu escrevi aqui outro dia. Prometia demais no exame visual e no olfativo, mas fracassava na boca. A sensação que eu tive com esse Jura foi a mesma. Decepcionou.

Tenho um amigo que diz que, com exceção dos tops da Borgonha, é sempre bom desconfiar de um vinho branco com muitos anos de vida. Ou ele está ótimo ou passou do ponto. No caso desse vinho intrigante do Jura, eu arrisquei esperando altos ganhos. E perdi.

É a vida. Até o próximo post.

7 Respostas to “Vinho branco, Jerez ou… estragado?”

  1. EduardoLuz Says:

    Eduardo ( nome bonito !). Cheguei através de uma busca do WordPress e gostei bastante. Como temos algumas coisas afins (blogs, mesmo nome, gostamos de vinhos) continuarei passando por aqui e vou linká-lo lá no Da Cachaça pro Vinho! Tudo bem ?

  2. luma Says:

    Mundo do vinho deve ser chato e quadrado? Nunca! Existem gostos variados para a grande variação de vinhos. Talvez não estivesse num dia bom. Repita a experiência antes de fechar sua opinião. Beijus

  3. Jose Luiz Says:

    Eduardo,

    Tomei, quer dizer, tentei tomar o Chalon 96 neste Carnaval. O vinho estava indiscutivelmente em declínio, para não dizer “estragado”. De todas as indicações do Ed, esta foi a única que decepcionou.

    Abs…

  4. Francine Says:

    Oi Eduardo,
    Tudo bom?

    Aqui é a Francine da Salem Guerrilha (www.salem.com.br), e estou trabalhando na divulgação do novo filme de Marcos Jorge, o “Estômago”, que foi premiado no Festival uruguaio de Punta del Este.

    Gostaria de convidá-lo para uma data que preparamos para alguns blogueiros.

    Eu prefiro passar mais detalhes, como dia e horário, por e-mail. Você pode entrar em contato comigo pelo francine@salem.com.br?

    Se quiser, assista a uma palhinha do filme no site da produção, o http://www.estomagoofilme.com.br.

    Aguardo seu retorno!🙂

  5. Léo Says:

    Eu reformularia essa sua afirmação: “com exceção dos tops da Borgonha, é sempre bom desconfiar de um vinho branco com muitos anos de vida” para “com exceção dos tops da Borgonha, é sempre bom desconfiar dos vinhos que o Ed Motta Indica!!!!!!!!!” o gosto dele é por demais sui generis….

  6. LUANA Says:

    Os enólogos do Post Social vão adorar seus posts.
    Parabens pelos textos e peals otimas dicas (os leigos em vinhos como eu agradecem..rsrs)
    Aproveite pra recomendar seu conteudo la no post social http://www.postsocial.com.br
    Abs.
    Luana
    Equipe Post Social – divulgação de conteúdo em mídias sociais

  7. Francisco C. Says:

    Olá Eduardo, este comomentário de que só a Borgonha sabe fazer brancos, não procede mesmo, gostaria de indicar estes dois vinhos que são espanhóis e passam uma vida toda em barris antes de serem engarrafados, o produtor se chama Lopez de Heredia. ” VINÃ TONDONIA RESERVA 1991″ E ” VIÑA TONDONIA GRAN RESERVA 1987″. É necessário deixar os vinhos respirarem por um tempo. Nunca decepcionaram.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: