Archive for the 'Gastronomia' Category

Ótima pedida em Sampa

domingo, 11/novembro, 2007

Ontem à noite fui jantar num lugar surpreendente e delicioso: o AK Delicatessen. Ele tem esse nome porque 1) É uma delicatessen, adivinhão e 2) Pertence à jovem chef Andrea Kaufmann, uma das mais talentosas de sua geração.

O AK é um lugar interessante. É um minúsculo sobrado que fica em Higienópolis, na rua Mato Grosso. Se você gosta de gastronomia, vai lembrar que lá já funcionou, há algum tempo, o Ici Bistrô. Na parte de baixo fica a loja, com quitutes judaicos que podem ser levados para casa ou degustados lá mesmo, numa das mesinhas redondas disponíveis. Na parte de cima fica o restaurante, super bem arrumadinho e com aquele jeito aconchegante dos bistrôs.

Éramos três à mesa (eu, a Cris e a Ju, uma amiga nossa que mora nos EUA e estava matando a saudade do Brasil). Logo ficamos impressionados com o serviço impecável do AK. Os garçons nos orientaram para tudo, desde a escolha do espumante até o pedido dos pratos. Destaque para o sommelier Mauro, que deu dicas preciosas dos vinhos que tomamos. Fizemos o serviço completo. Para começar, um espumante da região de Franciacorta, na Itália, que estava uma delícia – mas que eu fiz questão de esquecer qual era. Bom… Depois fomos de Passo Doble safra 2004, o vinho resultante do projeto que o italiano Masi tem em Tupungato, na Argentina (trazido ao Brasil pela importadora Mistral). Ótima relação custo/benefício. Pagamos cerca de 90 reais por um vinho sério, suave e gostoso. No fim do jantar, fomos de um pout-pourri de vinhos de sobremesa: uma taça de um sauternes genérico, outra de tokaji e outra de um Viña Carmen late harvest.

Hã, não entendeu nada? Explico. Sauternes (pronuncia-se sôtérn) é uma região de Bordeaux, na França, que possui alguns dos melhores vinhos de sobremesa do mundo. Como a região é sinônimo dessa variedade, é costume chamar os vinhos produzidos em Sauterne de… sauterne. Já o tokaji (pronuncia-se tokai) é um tradicional vinho húngaro de sobremesa que está entre os melhores do mundo também. Ele tem diversos tipos. O que provamos é um Aszú, a mais conhecida e melhor variedade. Já o Viña Carmen é um vinho chileno. Late harvest significa que ele foi feito com uvas que foram colhidas tardiamente (late harvest significa colheita tardia, em inglês), o que dá a elas mais concentração de açúcar. Ou seja, elas ficam mais docinhas e se tornam matéria-prima dos vinhos de sobremesa.

Bom, falávamos do serviço do AK. Sim, impecável. E muito útil também na hora de escolher os pratos. Escolher a comida não é fácil, porque há várias opções que parecem muito interessantes. Os garçons (e a chef, que passou pelas mesas duas vezes) recomendaram direitinho. Começamos com uma degustação de varenikes, os pasteizinhos/raviolis de batata que são clássicos da culinária judaica. Estavam excepcionais. Depois eu fui de filet mignon com crosta de pistache e molho de cogumelos. Sensacional. Por fim, ainda pedimos uma degustação de sobremesas. Destaque para o pain perdu, a velha e boa rabanada, que estava de lamber os beiços. A conta foi justa: se você for com o(a) namorado(a) ao AK vai gastar, sem vinho, uns R$ 150 o casal. Vale cada centavo.

Parabéns, Andrea. Seu restaurante é show.